A concordância nominal é responsável pela concordância entre o gênero e o número que deve ocorrer entre um nome (o substantivo) e outros termos da sentença que o modificam (artigos, adjetivos, pronomes e numerais). Também há casos específicos que podem gerar dúvidas, como por exemplo nas expressões “menos”, “é proibido”, “anexo”, “meio” etc.

Como a concordância nominal ocorre?

Quando o substantivo é acompanhado por outros termos em uma oração, há a necessidade de concordância entre eles. Os termos que acompanham o substantivo precisam estar de acordo com ele em gênero (masculino ou feminino) e em número (singular ou plural). A regra mais comum na gramática a respeito do gênero e do número dos substantivos é a de terminação das palavras de acordo com tais características:

Masculino

Singular – o
Plural – os

Feminino

Singular – a
Plural – as

Observe a oração a seguir:

Meu sobrinho é esperto.

(pronome + substantivo + verbo + adjetivo)

Caso o substantivo da frase passe para o feminino, os termos que o acompanham terão que fazer a mesma transição para que haja concordância nominal. Veja:

Minha sobrinha é esperta.

(pronome + substantivo + verbo + adjetivo)

O mesmo acontece se alterarmos o número do substantivo (do singular para o plural):

Minhas sobrinhas são espertas.

(pronome + substantivo + verbo + adjetivo)

O substantivo pode acompanhar artigos, adjetivos, pronomes e numerais. Tais termos devem estar de acordo com o gênero e o número do substantivo que acompanham. Apesar de certas palavras não seguirem a terminação mais comum (-o, -a, -os, -as), a regra da concordância nominal tende a ser a mesma sempre: o número e o gênero do substantivo definem o gênero e o número dos termos que o modificam.

Casos específicos de concordância nominal

Existem certos casos específicos de concordância nominal que costumam gerar dúvidas em muitas pessoas. São exemplos:

  • Os termos “é necessário”, “é proibido” e suas variações

Quando se trata especificamente desses termos, os adjetivos deles podem permanecer invariáveis se não houver artigo explicitando o gênero e o número do substantivo a que eles se referem:

  • É proibido permanência de crianças.
  • É necessário resiliência.
  • É permitido comercialização de mercadorias neste local.

No entanto, caso outros elementos acompanhem o substantivo, os adjetivos devem concordar em gênero e número:

  • É proibida a permanência de crianças.
  • É necessária muita resiliência.
  • É permitida a comercialização de mercadorias neste local.
  • A palavra “meio”

Quando a palavra “meio” assume função de adjetivo, ela precisa estar de acordo com o substantivo que qualifica:

  • Você é cheio de meias verdades.
  • Já passa de meio-dia e meia [hora].
  • Eles têm um milhão e meio [milhão] de razões.

Tome cuidado para não confundir com o advérbio “meio”, que não flexiona:

  • esposa está meio nervosa. (“meio” altera o adjetivo “nervosa”, e não o substantivo “esposa”, por isso exerce função de advérbio e é invariável)
  • A palavra “anexo”

A palavra “anexo” (sem preposição), ao funcionar como adjetivo, varia conforme o substantivo acompanhante:

  • A planilha anexa contém o relatório elaborado.
  • O arquivo anexo contém o relatório elaborado.
  • As planilhas anexas contêm vários relatórios.
  • Os arquivos anexos contêm vários relatórios.

A construção “em anexo” já é aceita por alguns gramáticos, permanecendo invariável. Contudo, algumas adaptações ocorrem:

  • Na planilha em anexo está o relatório elaborado.
  • No arquivo em anexo está o relatório elaborado.
  • Os relatórios estão nas planilhas em anexo.
  • Há diversos relatórios nos arquivos em anexo.
  • A palavra “menos”

Por se tratar de palavra invariável, “menos” sempre será escrito dessa forma, ainda que acompanhe um substantivo no feminino. A palavra “menas”, portanto, não existe.

Ele tinha menos blusas do que ela.

  • Cores

A concordância que envolve cores costumar deixar muita gente em dúvida. As cores, na regra geral, devem concordar com o substantivo a que se referem, quando são variáveis:

  • pasta é roxa.
  • Os tecidos são azuis.

Caso o nome da cor faça referência a um substantivo (verde, laranja etc.), a cor é invariável.

  • As pastas são verdes.
  • Os tecidos são laranjas.

Quando o nome da cor é constituído de dois adjetivos (o segundo envolvendo tonalidades), costuma-se deixar o primeiro invariável na forma do masculino e o segundo fazendo a concordância:

  • pasta é amarelo-clara.
  • Os tecidos são azul-escuros.

Porém, se o segundo adjetivo fizer referência a um substantivo, voltamos à regra da cor ser invariável.

  • As pastas são verde-água.
  • Os tecidos são azul-oceano.

Exercícios de concordância nominal

Questão 1

Assinale a alternativa em que, pluralizando-se a frase, as palavras destacadas permanecem invariáveis:

a) Este é o meio mais exato para você resolver o problema: estude só.

b) Meia palavra, meio tom – índice de sua sensatez.

c) Estava só naquela ocasião; acreditei, pois em sua meia promessa.

d) Passei muito inverno só.

e) Só estudei o elementar, o que me deixa meio apreensivo.

Resposta: Alternativa “e”. Quando meio, bastante, caro, barato e só exercerem função de advérbio na oração, não sofrerão variação quanto ao número e ao gênero.

Questão 2

Há concordância nominal inadequada em:

a) clima e terras desconhecidas;

b) clima e terra desconhecidos;

c) terras e clima desconhecidas;

d) terras e clima desconhecido;

e) terras e clima desconhecidos.

Resposta: Alternativa “c”. Quando os substantivos estiverem no plural e forem de gêneros diferentes, o adjetivo, na função de adjunto adnominal, concordará com o mais próximo ou irá para o masculino plural: terras e clima desconhecidos.

Videoaulas

Referências:

www.brasilescola.uol.com.br

www.exercicios.mundoeducacao.uol.com.br

Aprimore seu português grátis
Receba nossas atualizações em seu e-mail

Comente