O uso da crase

A crase é, na língua portuguesa, a contração de duas vogais iguais (a + a, ou seja, a soma do artigo definido “a” com a preposição “a”.), sendo representada com acento grave.

Quando usar crase?

Antes de palavras femininas em construções frásicas com substantivos e adjetivos que pedem a preposição a e com verbos cuja regência é feita com a preposição a, indicando a quem algo se refere, como: agradecer a, pedir a, dedicar a,…

  • Aquele menino nunca está atento à aula.
  • Suas atitudes são idênticas às de sua prima.
  • Não consigo ser indiferente à falta de respeito dessa pessoa!
  • É importante obedecer às regras de funcionamento da faculdade.
  • As testemunhas assistiram à cena impávidas e serenas.

Em diversas expressões adverbiais, locuções prepositivas e locuções conjuntivas: à noite, à direita, à toa, às vezes, à deriva, às avessas, à parte, à luz, à vista, à moda de, à maneira de, à exceção de, à frente de, à custa de, à semelhança de, à medida que, à proporção que,…

  • Ligo-te hoje à tarde.
  • Ele está completamente à parte dos amigos.
  • A professora apenas conseguiu a promoção à custa de muito esforço.
  • Meu sobrinho mais novo está completamente à deriva: não estuda, não trabalha, não faz nada.

Nota: Pode ocorrer crase antes de um substantivo masculino desde que haja uma palavra feminina que se encontre subentendida, como no caso das locuções à moda de e à maneira de.

  • Decisões à Pedro Neves. (à maneira de Pedro Neves)
  • Estilo à Paulo Sousa. (à moda de Paulo Sousa)

Antes da indicação exata e determinada de horas:

  • Meu filho acorda todos os dias às seis da manhã.
  • Chegaremos a Brasília às 22h.
  • A missa começará à meia-noite.

Nota: Com as preposições para, desde, após e entre, não ocorre crase.

  • Estou esperando você desde as oito horas.
  • Marcaram o almoço para as três horas da tarde.

Em diversas expressões de modo ou circunstância, atuando como fator de transmissão de clareza na leitura:

  • Vou lavar a mão na pia.
  • Vou lavar à mão a roupa delicada.
  • Ele pôs venda nos olhos.
  • Ele pôs à venda o carro.
  • Ela trancou a chave na gaveta.
  • Ela trancou à chave a porta.
  • Estudei distância.
  • Estudei à distância.

Quando não usar crase

Antes de palavras masculinas

  • Pedro tem um carro a álcool.
  • João comprou um jipe a diesel.

Antes de verbos que não indiquem destino

  • Estava disposto a salvar a garota.
  • Passava o dia a cantar.

Antes de pronomes pessoais do caso reto e do caso oblíquo

  • Falamos a ela sobre o ocorrido
  • Ofereceram a mim as entradas para o cinema.

Os pronomes do caso reto são: eu, tu, ele, nós, vós, eles.
Os pronomes do caso oblíquo são: me, mim, comigo, te, ti, contigo, se, si, o, lhe.

Antes dos pronomes demonstrativos isso, esse, este, esta, essa

  • Era a isso que nos referíamos.
  • Quando aderir a esse plano, a internet ficará mais barata.

Casos facultativos de uso da crase

Antes de pronomes possessivos femininos:

Não dão valor à nossa missão.

ou

Não dão valor a nossa missão.

Antes de nome próprio feminino:

Fizemos referência a Marina.

ou

Fizemos referência à Marina.

José de Nicola e Ulisses Infante defendem que, nesse caso, o uso do artigo “a” é facultativo. Segundo eles, uma forma de verificar isso é substituir, na frase, o termo que exige a preposição “a” por um termo que exige outro tipo de preposição. Veja um exemplo:

Não falamos da Marina

ou

Não falamos de Marina.

Isso, de acordo com esses gramáticos, demonstra que o uso do artigo é facultativo; consequentemente, o uso da crase também.

Já Luiz Antonio Sacconi defende que só “acentuamos o ‘a’ antes de nomes de pessoas quando se tratar de indivíduo que faça parte do nosso círculo de amizades, indivíduos aos quais damos tratamento íntimo: a Marisa, a Bete, a Rosa etc. Ex.: Refiro-me à Marisa, e não à Bete”. No entanto, apesar disso, ele considera esse uso facultativo.

Antes de locuções adverbiais femininas indicativas de instrumento, em regra, não se deve utilizar a crase:

Não se pode resolver os conflitos a bala.

No entanto, muitos gramáticos entendem que o uso do acento grave, nesses casos, é facultativo:

Não se pode resolver os conflitos à bala.

Antes dos seguintes nomes de lugar: Europa, Ásia, África, França, Inglaterra, Espanha, Holanda, Escócia e Flandres. Assim:

Não podemos mais voltar à Londres.

ou

Não podemos mais voltar a Londres.

Na locução prepositiva “até a”, antes de substantivo feminino:

Chegaram até a praia e desistiram de nadar.

ou

Chegaram até à praia e desistiram de nadar.

Dicas/macetes para o uso correto da crase

principal macete para você descobrir se deve ou não usar a crase é substituir a palavra feminina que vem depois da possível crase por uma palavra masculina equivalente:

Eu cheguei à escola de Gustavo.

Façamos então a substituição:

Eu cheguei ao colégio de Gustavo.

Note que, ao fazer essa alteração, é possível perceber a presença do artigo definido masculino “o” antes do substantivo “colégio”, o que indica a presença do artigo definido feminino “a” antes do substantivo “escola”.

Assim, temos:

  • Eu cheguei a + a escola de Gustavo = Eu cheguei à escola de Gustavo.
  • Eu cheguei a + o colégio de Gustavo = Eu cheguei ao colégio de Gustavo.

Outro macete, semelhante ao primeiro, é substituir o artigo definido feminino “a” pelo artigo indefinido feminino “uma”. Se é possível utilizar esse segundo artigo, é porque a presença de um artigo feminino é necessária na frase:

Assisti à luta de boxe no último domingo.

Façamos a substituição:

Assisti a uma luta de boxe no último domingo.

Desse modo, temos:

  • Assisti a + a luta de boxe = Assisti à luta de boxe.
  • Assisti a + uma luta de boxe = Assisti a uma luta de boxe.

Outra maneira de ter certeza da ocorrência ou não da crase, no caso de verbos que indicam movimento, como “ir”, “chegar” etc., é substituir esses verbos por outros que indiquem procedência, como “vir”, “partir” etc., ou mesmo localização, como “estar”, “ficar” etc.:

Chegamos a Santos na manhã de sábado.

Então substituímos por:

Partimos de Santos na manhã de sábado.

E também por:

Ficamos em Santos na manhã de sábado.

Perceba que, nas duas substituições, nota-se apenas a presença de preposição, mas não de artigo. Portanto, em “Chegamos a Fortaleza na manhã de sábado”, não pode ocorrer crase.

Exercícios

Fácil, não? Agora é só praticar!
Selecione a linha verde para revelar a resposta de cada questão.

1. (ESAN – Escola Superior de Administração de Negócios de São Paulo) Das frases abaixo, apenas uma está correta, quanto à crase. Assinale-a:

a) Devemos aliar a teoria à prática.
b) Daqui à duas semanas ele estará de volta.
c) Dia à dia, a empresa foi crescendo.
d Ele parecia entregue à tristes cogitações.
e) Puseram-se à discutir em voz alta.

Alternativa a: Devemos aliar a teoria à prática.

2. (FCC – Fundação Carlos Chagas) É preciso suprimir um ou mais sinais de crase em:

a) À falta de coisa melhor para fazer, muita gente assiste à televisão sem sequer atentar para o que está vendo.
b) Cabe à juventude de hoje dedicar-se à substituição dos apelos do mercado por impulsos que, em sua verdade natural, façam jus à capacidade humana de sonhar.
c) Os sonhos não se adquirem à vista: custa tempo para se elaborar dentro de nós a matéria de que são feitos, às vezes à revelia de nós mesmos.
d) Compreenda-se quem aspira à estabilidade de um emprego, mas prestem-se todas as homenagens àquele que cultiva seus sonhos.
e) Quem acha que agracia à juventude de hoje com elogios ao seu pragmatismo não está à salvo de ser o responsável pela frustração de toda uma geração.

Alternativa e: Quem acha que agracia à juventude de hoje com elogios ao seu pragmatismo não está à salvo de ser o responsável pela frustração de toda uma geração.

3. (ESAF – Escola de Administração Fazendária) Assinale a frase em que o acento indicativo de crase foi empregado incorretamente:

a) Ao voltar das férias, devolverei tudo à Vossa Senhoria.
b) O candidato falou às classes trabalhadoras.
c) Fiquei à espera de meus amigos.
d) Sua maneira de falar é semelhante à de Paulo.
e) Você só poderá ser atendido às 9 horas.

Alternativa a: Ao voltar das férias, devolverei tudo à Vossa Senhoria.

Videoaulas

CRASE: USO E REGRAS | GRAMÁTICA | QUER QUE DESENHE?

Crase – Aula 01 ♫ Concerto da Crase ♫ [Prof Noslen]

COMO SABER SE TEM CRASE? – Profa. Pamba

Referências

https://www.normaculta.com.br/uso-da-crase/
https://www.todamateria.com.br/crase/
https://brasilescola.uol.com.br/gramatica/crase.htm
https://www.portugues.com.br/gramatica/o-uso-crase-.html

Comente