Na Língua Portuguesa, o complemento nominal trata-se de um termo da oração usado para completar o sentido de um nome, que para a gramática é representado pelos substantivos, adjetivos ou advérbios.

O complemento nominal exerce a função de completar ou alterar o sentido de um nome e é sempre introduzido por uma preposição (de, a, com, em, por…). Para o complemento nominal ser reconhecido basta fazer a pergunta ao nome: “de quê?”, “de quem?”, “a quê?”. “a quem?”, “por quê?”, por quem?”.

De modo mais prático, tomemos a fase como exemplo para análise: “O professor avisou alegremente que ia aposentar a uma das turmas”, em que o termo grifado completa o sentido expresso em partes pelo nome advérbio que, sozinho, não é capaz de fazer sentido completo. Tomemos outros exemplos: “O barulho dos fogos assustou os gatos“, em que o termo grifado complementa o significado expresso pelo nome substantivoO barulho”; ou ainda em “A sala estava cheia de brinquedos”, em que o termo grifado complementa o significado do nome adjetivo “cheio”. Note-se que sem o complemento nominal, o elemento sublinhado em cada um dos exemplos, o nome (“alegremente que..”, “O barulho dos..” e “cheia de…” não é capaz de se expressar satisfatoriamente sozinho sem um termo que complete o seu sentido. Essa é uma característica dos termos integrantes da oração, grupo de que faz parte, além do complemento nominal, também os complementos verbais, objeto direto e objeto indireto, e o agente da passiva.

Confira outros exemplos:

  • Meus amigos têm necessidade de ir à praia pelo menos duas vezes ao ano.

Meus amigos = sujeito
Têm = verbo transitivo direto
Necessidade = objeto direto
De ir à praia pelo menos duas vezes ao ano= complemento nominal

Ao fazer a pergunta “quem tem necessidade?”, de imediato encontra-se a resposta para aquele que sofre a ação ou estado: meus amigos, classificado então como sujeito.
“Necessidade de que?”. A resposta é o complemento da frase: de ir à praia pelo menos duas vezes ao ano. Perceba que nesse trecho da frase há uma preposição, que é indispensável para completar o nome da oração.

  • Maria tem receio de viajar sozinha

Maria = sujeito
Tem = verbo transitivo direto
Receio = objeto direto 
De viajar sozinha = complemento nominal

Para treinar o assunto faça as perguntas: “Quem tem receio?”. Maria, o sujeito da oração. Quem tem receio, receia-se com alguma coisa. Logo, precisa de um complemento: De viajar sozinha.

  • José tem vontade de comprar aquela calça jeans azul

José = sujeito
Tem verbo transitivo direto
Vontade = objeto direto
De comprar aquela calça jeans azul = complemento nominal

Quais as diferenças entre complemento nominal e adjunto adnominal?

Analisar sintaticamente uma oração é considerado algo que gera muitas dúvidas entre as pessoas, pois para identificar todos os termos sintáticos da forma correta é necessários conhecer cada um deles. Uma das dificuldades mais comuns é identificar o complemento nominal sem confundi-lo com o adjunto adnominal. O complemento nominal está relacionado apenas a um substantivo, a adjetivos ou advérbios. O adjunto adnominal, por sua vez, tem a função de determinar, modificar, restringir, caracterizar, especificar ou um substantivo. Deste modo, ele está relacionado a um substantivo concreto ou um substantivo abstrato.

Exemplos:
Eu recebi  a nota (substantivo concreto) da prova. (Adjunto adnominal)
Ela mora longe (advérbio) da praia. (Complemento nominal)

Ao contrário do complemento nominal, que é um termo indispensável para dar sentido completo a oração, o adjunto adnominal pode ser retirado da sentença sem interferir na sua estrutura sintática, já que atua como algo acessório a um nome. A última dica para ajudar a diferenciar esses dois assuntos é em relação a preposição. O complemento nominal sempre é preposicionado, enquanto o adjunto adnominal é precedido por preposição quando for representado por uma locução adjetiva.

Exemplos:
Luís é um exemplo de pai (Adjunto adnominal)
Estamos muito longe de casa. (Complemento nominal)

Quais são os termos integrantes da oração?

Além do complemento nominal, o complemento verbal e o agente da passiva integram a lista dos principais termos integrantes da oração. Apesar de parecidos, cada um deles tem uma atribuição e são essenciais para atribuir sentido ao verbo e aos substantivos das orações.

complemento verbal contempla os objetos direto e indireto, e estes assumem a responsabilidade de completar o sentido dos verbos transitivos direto e indireto, respectivamente. A principal diferença entre os dois é a presença ou não da preposição.

O objeto direto pode ser definido como o termo da oração que indica o sujeito que sofre a ação do verbo, completando o sentido sem a presença de preposição. O objeto indireto, por sua vez, é o termo que indica o elemento para a qual a ação se destina. Neste caso, ele deve estar ligado ao verbo por meio obrigatório da preposição exigida por ele.

Exemplos:
Meu primo está escutando a música de seu quarto. (objeto direto)
João gosta de cantar. (objeto indireto)

O agente da passiva, por sua vez, indica quem pratica a ação e quem é o sujeito da voz ativa. Também é preposicionado e na maioria das vezes usa-se a preposição por e suas flexões (pelo, pela, pelos, pelas).

Exemplo:
O jantar de sábado foi feito por minha mãe.
A paciente foi acompanhada pelo médico.

Videoaulas

Referências:

www.educamaisbrasil.com.br/enem/lingua-portuguesa/complemento-nominal

www.todamateria.com.br/complemento-nominal/

www.significados.com.br/complemento-nominal/

www.infoescola.com/portugues/complemento-nominal/

Comente